RUBEM VALENTIM: CONSTRUÇÕES AFRO-ATLÂNTICAS

Código: 9788531000553
Ops! Esse produto encontra-se indisponível.
Deixe seu e-mail que avisaremos quando chegar.

Organizadores:
Adriano Pedrosa e Fernando Oliva

Autores:
Abigail Lapin Dardashti, Adriano Pedrosa, Artur Santoro, Bené Fonteles, Clarival do Prado Valladares, Fernando Oliva, Frederico Morais, Giulio Carlo Argan, Hélio Menezes, José Guilherme Merquior, Lilia Moritz Schwarcz, Lisette Lagnado, Mário Pedrosa, Marcelo Mendes Chaves, Marta Mestre, Renata Bittencourt, Roberto Conduru, Roberto Pontual e Rubem Valentim

Brochura, 20,5x27,5x2,2cm, 288p, português, MASP, 2018

ISBN 978-85-310-0055-3

Rubem Valentim: construções afro-atlânticas reproduz 99 obras do pintor, escultor e gravador Rubem Valentim (Salvador, 1922 – São paulo, 1991), figura fundamental da arte brasileira e das histórias afro-atlânticas no século 20. A partir dos anos 1950, valentim se apropria da linguagem da abstração geométrica para construir complexas composições que redesenham e reconfiguram símbolos, emblemas e referências afro-atlânticos. Nesse processo, o artista transforma linguagens de origem europeia que dominaram boa parte da produção de arte no brasil e no mundo nos anos 1950 e 1960 (a abstração geométrica, o construtivismo, o concretismo), submetendo-as a referências africanas, sobretudo através dos desenhos e diagramas que representam os orixás das religiões afro-brasileiras — como o machado duplo de Xangô, a flecha de Oxóssi e as hastes de Ossaim. Em seu famoso ‘Manifesto antropofágico’, de 1928, um texto primordial do modernismo brasileiro, Oswald de Andrade (1890-1954) propunha de forma poética um verdadeiro programa para o intelectual e o artista brasileiro: o de deglutir o legado cultural europeu para digeri-lo e construir, de maneira antropofágica, uma obra própria, híbrida, mesclando referências indígenas, africanas e europeias. Valentim é um dos artistas que, de maneira mais completa e ambiciosa levou a cabo o projeto antropofágico. Nesse processo, ele realiza uma das mais radicais operações na história da arte brasileira, submetendo um idioma europeu a uma linguagem afro-brasileira, numa contribuição efetivamente singular e potente, descolonizadora e antropofágica.

Organizado por Adriano Pedrosa e Fernando Oliva, este livro acompanha a exposição de mesmo nome realizada no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), curada por Oliva. Inclui ensaios inéditos de Abigail Lapin Dardashti, Adriano Pedrosa, Artur Santoro, Fernando Oliva, Lilia Schwarcz e Hélio Menezes, Lisette Lagnado, Marcelo Mendes Chaves, Marta Mestre, Renata Bittencourt e Roberto Conduru; republicações de textos históricos de Clarival do Prado Valladares, Frederico Morais, Giulio Carlo Argan, José Guilherme Merquior, Mário Pedrosa, Roberto Pontual e Bené Fonteles; além de reproduções de seis cadernos de Rubem Valentim feitos entre 1960 e 1967, contendo material raro de croquis, projetos para obras, anotações e pensamentos do artista.

IMPORTANTE
Esta é a edição em Português. Para a edição em Inglês, por favor acesse este link: Rubem Valentim: Afro-Atlantic Constructions.

Produtos relacionados

Sobre a loja

A loja online comercializa os catálogos e as antologias editadas pelo MASP. Nossa loja física segue também com a venda de produtos próprios, artesanato, design e outras publicações sobre artes visuais, design, arquitetura e mais temas relacionados aos eixos temáticos do museu.

Social
Pague com
  • PagSeguro V2
Selos

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - CNPJ: 60.664.745/0001-87 © Todos os direitos reservados. 2020